DRINQUES
TUDO SOBRE BAR
DICAS
ENTRETENIMENTO
CONTATO
HISTÓRIAS DOS COQUETÉIS

BLOODY MARY

Um coquetel vermelho, uma rainha sanguinária e três bartenders. Sim estamos falando de um coquetel e não de um filme de romance, apesar do roteiro ser bem propício.... Os personagens principais seriam, Maria I, Fernand Petiot, George Jessel e Bertin Azimont.

Deixando o lado roteirista de lado, vamos falar sobre o coquetel que, para muitos, é conhecido como o “curador de ressacas”. Sim nós estamos falando do Bloody Mary, “aquele feito com suco de tomate”....

Fernand Petiot, é o grande criador deste famoso coquetel, criado nos anos 20 do século XX no Harry's New York Bar (berço de muitos outros famosos coquetéis) na França. A nacionalidade de Fernand é que é um pouco confusa, muitos dizem que é americano, outros dizem que é francês, essa confusão acontece, porquê no ano de 1934 ele foi trabalhar no King Cole Bar que ficava dentro do St. Regis Hotel, nos Estados Unidos, mas ele nasceu na França em 1900 e morreu em Ohio, USA em 1975.

Outras fontes revelam que o ator George Jessel, foi o grande criador, porém numa rápida procura na internet não encontrei nenhuma biografia dele que o relacionasse à criação do coquetel, muitos dizem que no ano de 1939, ele fazia propaganda para uma destilaria de vodka. E uma coisa levou a outra e no fim acabou ganhando a fama.

Outras fontes, essas mais escassas e com poucos dados, afirmam que o bartender Bertin Azimont criou este coquetel para o escritor Ernest Hemingway (novamente ele envolvido nas histórias etílicas, procure no Blog os textos sobre Mojito e Daiquiri). Mas essa versão para aqui, sem maiores dados e consequências sobre a criação.

Outro motivo de discórdia sobre este coquetel é o primeiro nome do Bloody Mary, alguns afirmam que Fernand o chamou pela primeira vez de “Red Snapper” que é uma espécie de peixe. Outros declaram que o primeiro nome era Bucket of Blood, balde de sangue e que o Fernand só trocou o nome fazendo homenagem à Rainha Maria I, conhecida como sanguinária por causa de sua implacável persiguição religiosa, atendendo os pedidos de seus principais clientes, Jean-Paul Sartre e Scott Fitzgerard.

Rainhas e Bartenders a parte, o coquetel é conhecido como “curador de ressaca” por causa do suco de tomate, altamente nutritivo.

Como diriam os ingleses God Save the Queen.....Cheers!

Veja aqui a receita do BLOODY MARY



  Este texto é de autoria de Rafael Rodrigues
Rafael é Bartender profissional e Bar Consultant
www.rafaelbar.com.br
contato@rafaelbar.com.br


© Copyright Drinquepedia 2017. Todos os direitos reservados.Beba sempre com responsabilidade.